Época 2015/16

Época 2015/16

Benfica - Goalkeepers

Aqui está um exemplo de como a nossa imprensa trata os jogadores do Benfica e os outros.
«Inesperadamente Quim revelou alguma insegurança entre os postes, mormente nos cantos e cruzamentos (…)» - Paulo Pinto - Jornalista de A Bola na análise aos jogadores no recente Gil Vicente-SC Braga.

Esta análise trouxe-nos à memória um conjunto de situações ocorridas nos últimos tempos com o desempenho dos titulares da baliza do Benfica, nomeadamente o massacre a que assistimos na última época com Roberto.

Regressando um pouco atrás, diríamos que foi com surpresa que temos assistido ao desmoronamento da tradicional escola de guarda-redes portugueses. Provavelmente fruto dos novos tempos em que é mais fácil comprar lá fora do que formar cá dentro, uma situação que alastra a todos os sectores da vida nacional e que tem propiciado um aumento galopante da nossa dívida externa. Só lamentamos é que a fobia de importações não tenha ainda contemplado políticos, porque talvez assim estivéssemos menos endividados e mais desenvolvidos...

Como aqui já escrevémos, Quim nunca foi um guarda-redes consensual no Benfica. E na última época que esteve ao serviço dos encarnados, do nosso ponto de vista só assumiu a titularidade porque no jogo da ‘Eusébio Cup’ teve o mérito e a felicidade de defender  4 penalties. A análise crítica que citamos acima coincide com aquilo que sempre vislumbrámos em Quim, muito embora consideremos tratar-se de um bom guarda-redes entre os postes e de ter tido um comportamento que não justificava que o anûncio público da sua não renovação tivesse acontecido como sucedeu.

O sistema de jogo implementado por Jorge Jesus na equipa do Benfica implica que o guarda-redes bastas vezes tenha que ser líbero. E para isso tem que ter muito treino e sobretudo características que se adaptem. E neste caso ou se têm ou não se tem. Em nosso entender Quim não as tem porque toda a sua fase de formação foi feita em equipas cujos compartimentos defensivos foram treinados para jogar dentro da área e não é na última fase da sua carreira que vai aprender. Isso não significa, repetimos, que ele não seja um bom guarda-redes dentro dos condicionalismos que apontámos.

Com Roberto passou-se algo semelhante. Para além de não ter a experiência de Quim, a sua carreira é ainda precoce e nos jogos que disputou fê-los em equipas com um certo pendor defensivo. É conhecida a sua performance no Saragoça da penúltima época em que foi considerado um dos melhores guarda-redes a actuar na Liga Espanhola. Terá sido isso que levou o Benfica a contratá-lo.

Tal como tinha acontecido ao seu antecessor, Roberto por força de um posicionamento a que não estava habituado demonstrou fragilidades idênticas, sendo que rapidamente foi mimoseado com a artilharia pesada dos media a que aderiram os adeptos que encaram os seus comentários e críticas como verdades imutáveis. A partir daí era fácil perceber que só muito dificilmente o ser humano Roberto conseguiria resistir. Mantemos o que repetidamente dissémos: Roberto tem potencial e enquadrado numa equipa em que não esteja sob pressão constante tem todas as condições, até pela sua idade, para se transformar num excelente guarda-redes.

A contratação de Artur Moraes foi tida assim como um facto normal. Tinha tido uma excelente época ao serviço dos bracarenses, era experiente, frio e demonstrava boa atitude nas saídas a cantos e cruzamentos. Os primeiros jogos, apesar de ter que se adaptar ao novo sistema, confirmaram em absoluto aquelas características. Tudo parecia caminhar bem  até que...

... o Benfica contratou Eduardo. De imediato, os habituais desestabilizadores propagandearam que se os encarnados tinham ido buscar o actual titular da selecção nacional e este tinha vindo, era porque lhe tinham prometido a titularidade. E isso constituia um factor de desestabilização tremenda para Artur. No 1º golo sofrido contra o Anderlecht os comissários de serviço do pasquim logo vieram dizer que isso era sinónimo que Artur sentia já o bafo de Eduardo. Veio o jogo com os turcos e Artur manteve a titularidade e teve uma actuação que contrariou aquelas aves agoirentas, assinando uma exibição irrepreensível e demonstrando uma frieza assinalável em toda a partida.

Não sabemos e muito menos prevemos o futuro. Tudo como se sabe pode acontecer: erros, baixas de forma, expulsões, ou até mesmo Eduardo demonstrar que está em melhor forma e assim assumir a titularidade. A acontecer, nessa altura, lá viriam os inefáveis Zandingas dizer que ‘tal como tínhamos previsto...’ .

Neste momento, Artur Moraes é titular com inteira justiça e assim deve continuar. Isso não retira qualquer parcela de mérito a Eduardo que terá certamente ensejo de demonstrar a oportunidade da sua contratação. Mas estarem a insistir no assunto é sinónimo que o seu objectivo é outro completamente diferente – desestabilizar a baliza dos encarnados.

E isso, como é evidente, será denunciado sem quaisquer titubiezas!»

4 comentários:

Xenrik disse...

100% de acordo! temos de ser nós a defender o clube desta imprensa. Já demonstrámos o nosso poder na campanha contra o azul TMN na camisola. Temos de o demonstrar agora levando um destes pasquins à falência. :)

roysaile disse...

ainda não vi os merdia falarem da grande saida ao cruzamento no 1º golo de onde do grande roberto patricio,enganei-me,frango patricio,enganei-me, peru patricio, porra não acero com o nome do burro,ajudas?

artnis disse...

Comentário brilhante deste nosso companheiro de luta contra todos os anti-Glorioso ...

sem titubear, sem tibiezas!

Saudações Benfiquistas

Tiago disse...

Pelo menos este ano não podem pegar pelo dinheiro investido...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ARQUIVO DO BLOG

Prémio Relíquia da Internet

Prémio Relíquia da Internet

Presente do grande CORAÇÃO ENCARNADO

Presente do grande CORAÇÃO ENCARNADO

Adaptado por Blogger Benfiquista

Blog do Manuel © 2008. Template by Dicas Blogger.

TOPO